Como se distribui a Odontologia no Brasil

Há uma frase no mundo da estatística que diz: “Estatística é a arte de torturar os números até que eles confessem”. À primeira vista se deparar com o fato de que o estado de São Paulo contém 47 faculdades de Odontologia e o estado de Roraima apenas 1 pode parecer estranho.  Mas há outros fatores a serem levados em consideração nessa distribuição que podem explicar números tão díspares. Façamos então uma pequena análise com alguns gráficos para ajudar a enxergar como se distribui a Odontologia no Brasil.

Somos 293.318 cirurgiões-dentistas (Fonte: site do CFO em 18/07/2017) para 206.268.310 (Fonte: site do IBGE em julho de 2016) habitantes em todo o país. Temos cerca de 15% dos dentistas do mundo, apesar de termos menos de 3% da população mundial, formados em cerca de 220 faculdades espalhadas pelo país. Assim ficamos distribuídos nos estados brasileiros:

Odontologia no Brasil dentistas por estado no brasil
Fonte: site CFO

Mas os mesmos dados podem ficar mais interessantes. Organizando o gráfico em ordem crescente de valores temos o seguinte resultado:

Odontologia no Brasil dentistas por estado crescente
Fonte: site CFO

Mais da metade dos dentistas do país estão concentrados em apenas 3 dos 26 estados da federação, mais o Distrito Federal. Seria uma espécie de desigualdade no acesso à Odontologia no Brasil? Esses 3 estados estariam saturados de dentistas? Vamos então analisar outros números dessa equação e modificar a forma de enxergar esses resultados. Façamos um paralelo entre as porcentagens de população e de dentistas dos estados em relação ao país inteiro.

comparativo população dentistas
Fontes: site CFO, site IBGE

Nesse gráfico quanto mais próximos um do outro, em um mesmo estado, os pontos vermelhos e azuis, mais próximas estarão as porcentagens de dentistas e de população. Algo como um comparativo entre as proporções de dentista por habitante. Podemos concluir, por exemplo, que Mato Grosso concentra um percentual da população brasileira (1,60%) muito próximo ao de dentistas(1,56%) do país. No entanto São Paulo tem uma maior concentração de dentistas(29,7%)  do que concentra a população (21,7%).  Numa análise mais atenciosa é possível perceber que os estados do Norte e Nordeste, no geral, tem a porcentagem de população acima da porcentagem de dentistas. O inverso ocorre nos estados do Sul e Sudeste, havendo maior concentração de dentistas do que população.  O que explicaria essa tendência?

Aí entra o fator econômico. Para analisá-lo vamos substituir no comparativo a porcentagem de população por porcentagem do PIB (Produto Interno Bruto) que cada estado é responsável no país. Produto interno bruto é a soma de produtos e serviços produzidos por uma população em dado território. Serve como parâmetro ao se medir a quantidade de riqueza produzida por um conjunto de pessoas numa determinada área. Portanto façamos um comparativo entre as porcentagens de dentistas e PIB, por estado.

Odontologia no Brasil comparativo dentistas pib
Fontes: site CFO, site IBGE

É possível notar que os pontos azuis e vermelhos estão agora mais próximos em todos os estados, ocorrendo pequena disparidade em apenas alguns locais como Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo. Não se trata de uma análise estatística aprofundada mas uma observação superficial de que, no geral, os dentistas estão concentrados nos estados em uma relação mais próxima com a  geração de riqueza do que com a configuração populacional. Um estudo longitudinal, com a adição do fator tempo na análise, nos traria dados mais fidedignos.

Isso pode ser explicado pelo nossos sistema de saude misto, composto por rede pública e privada. Por mais que haja considerável assistência pública do Sistema Único de Saude, boa parte da população utiliza a rede privada odontológica. Sendo assim, é preciso geração de riqueza para que haja mercado onde o dentista possa atuar e seja pago por seus serviços. De acordo com o enriquecimento da população, seriam influenciadas por exemplo a abertura de novas vagas em faculdades assim como a mudança de dentistas de um estado para o outro.

É importante enfatizar que aqui procuramos entender como estão distribuídos os cirurgiões-dentistas pelo Brasil, não fazer um estudo científico sobre o assunto. Foram usados dados disponíveis na internet através dos sites do CFO e IBGE. Os dados usados foram os mais recentes disponíveis. No entanto se referem a períodos diferentes, sendo a população brasileira de julho de 2016, dentistas de julho de 2017 e PIB do ano de 2014.

 

2 Replies to “Como se distribui a Odontologia no Brasil”

    1. Obrigado pelo comentário, Zé Artêro. Vejo a distribuição como um reflexo do potencial urbano das relações comerciais. Quanto mais urbanização, mais riqueza, mais concentração de serviços, que atrai mais pessoas para os centros urbanos, num ciclo vicioso. Analisando apenas esse aspecto, claro. De qualquer forma acho muito interessante o profissional ter essa noção de oferta e demanda que guia as relações econômicas. Grande abraço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *