Análise do documentário Root Cause

Do que trata Root Cause?

A mensagem do documentário é simples e direta: não há indicação para o tratamento endodôntico, sendo a extração do dente afetado o único tratamento indicado em caso de pulpite irreversível ou necrose pulpar. Ah, e não vale colocar implante de titânio depois. Ambos procedimentos vão interferir nos meridianos energéticos do corpo, que podem causar distúrbios que vão de síndrome do pânico, câncer, infarto a dor nas costas. Com premissas como essas o documentário que estreou na Netflix esse ano, Root Cause (traduzido para o português como A Raiz do Problema), se propõe a contrariar o pensamento hegemônico de toda Odontologia mundial. Façamos uma breve análise do filme.

O documentário fala da história de um jovem que sofreu um trauma nos incisivos superiores devido a uma briga de rua e teve indicado e realizado o tratamento de canal de um incisivo central. Após 10 anos apresenta subitamente uma crise de ataque de pânico. Mesmo recebendo tratamento profissional, seus ataques ficam mais frequentes, resultando em insônia e fadiga crônica. Além disso, o personagem começa também a sentir efeitos colaterais do ansiolítico receitado pelo médico. Pausa.

Em nenhum momento da película é deixado claro se o personagem existe ou não na vida real. Se é baseado numa história real, inspirado numa história real ou apenas ficção. O personagem não se apresenta no início da trama e sequer sabemos o nome dele. O formato de documentário, no entanto, leva a acreditar que tudo se trata de relatos de uma história real. Inclusive ao final do filme o narrador dá a entender que a história se baseia na vivência do próprio diretor de Root Cause, Frazer Bailey. Não há nada que confirme isso, no entanto. Em uma busca pelo nome “Frazer Bailey” no Google não é possível encontrar  qualquer referência ao relato pessoal do diretor em relação a sua “jornada épica” para a cura de seus males ou algo do tipo. Na página ofical de Root Cause sequer é possível encontrar o nome do diretor. No mínimo estranho.

Continuando. Desesperado em busca de uma resposta para o que lhe aflingia, o narrador passa a fazer diversos tipos de exames e realizar todas as terapias imagináveis (incluindo urinoterapia), sempre sem sucesso. A partir daí inica-se uma série de falas de especialistas citando dados assustadores a cerca da relação entre dentes tratados endodonticamente e doenças diversas. Aqui estão alguns exemplos:

“98% das mulheres com câncer de mama tem um tratamento endodôntico no mesmo lado do seio afetado”

“A maior influência tóxica no corpo de uma pessoa doente cronicamente é um dente com tratamento de canal”

“A grande maioria das doenças degenerativas crônicas começa com problemas na boca”

“70 a 90% de todos os problemas médicos na verdade se originam na boca”

“Estudo com 60 pacientes com câncer mostra que 96% dos pacientes tinha dentes tratados endodonticamente no mesmo meridiano (energético) do órgão afetado”

Onde podemos confirmar essas informações?

O problema é que tais dados são apresentados sem qualquer referência. Não é possível saber pelo documentário se são pesquisas sérias, se foram publicadas e, em caso afirmativo, se isso tenha ocorrido em revista de alto impacto. Não há sequer menção aos autores do estudo na maioria dos casos. Um dos poucos estudos apresentados que cita o nome do autor fala de Dr. Weston Price, um dos pioneiros da teoria da infecção focal. Teoria essa que de fato foi relevante para o conhecimento científico da época… há cerca de 100 anos . Os estudos, que consistiam em implantar dentes humanos sob a pele de coelhos, não atendiam a qualquer rigor científico exigido pelos critérios acadêmicos atuais. Já nos anos 50 os achados de Weston Price não tinham mais validade.

O diagnóstico.

Em sequência, o narrador diz ter se submetido ao exame que finalmente entregou o diagnóstico correto do seu caso. Apesar de não falar o nome, o exame se baseia em uma tal antena Lecher. Um dispositivo que detecta, através da coleta de sangue e das perguntas do operador para uma antena (sim, é isso mesmo que você leu), qual problema há no corpo do indivíduo.

antena lecher
Antena Lecher: uma espécie de Ouija para diagnósticos médicos.

E assim o personagem descobre que seu problema era um dente com tratamento endodôntico realizado e lesão persistente. Ao se consultar com um “dentista biológico”, o mesmo recomenda extrair o dente e realizar uma prótese aderida aos dentes vizinhos. Já que implantes metálicos não são indicados (sim, você leu certo mais uma vez). Se não bastasse, posteriormente o protagonista descobre que tinha uma espécie de interrupção de fluxo energético na região de um terceiro molar. Interrupção esta causada, segundo o narrador, por uma “cavitação”. Algo como uma falha óssea residual pós extração dentária que, segundo um especialista do documentário, permanece pelo resto da vida do paciente acumulando “lixo tóxico”, bactérias  e fungos. Tudo isso respaldado por mais um estudo com números impressionantes, sem qualquer referência. Após toda essa “jornada” e o tratamento com “dentistas biológicos” o personagem voltou a ser feliz novamente.

protagonista feliz

Conclusões.

Dentes tratatos endodonticamente seriam, portanto, eternas fontes de toxinas, não importanto o quão bem feito o procedimento tenha sido feito.  Esses elementos, assim como implantes metálicos e “cavitações”, bloqueariam então o fluxo energético do organismo, o que seria a causa de doenças em outras regiões do corpo. Estes são os pontos principais de Root Cause, que aparentemente defende abordagens holísticas amparadas em conceitos de medicina oriental. É importante salientar que, aos olhos da Odontologia baseada em evidências, o pretenso documentário não tem qualquer validade científica. Não por utilizar conceitos de medicina oriental, ou por ignorar o embasamento atual da terapia endodôntica. Mas por construir uma narrativa tendenciosa sem contrapontos; com argumentos frágeis, ultrapassados e de qualidade duvidosa.

17 Replies to “Análise do documentário Root Cause”

  1. Olá!
    Bacana sua iniciativa de escrever sobre o assunto sendo um profissional da area. Eu tenho pavor de dentista…tenho 32 anos e nunca fiz canal, tenho pavor. Tenho 2 restaurações e arranquei os 4 cisos. Chorei todas as vezes. Meus pais sofreram a vida todo com dentistas. Minha mãe perdeu 9 dentes durante a minha gravidez e meu pai devido à gengivite perdeu todos os dentes. Eu assisti o documentário e confesso que, como enfermeira, muitaaaas coisas me foram suspeitas. Porém, o fato do dente estar morto após o canal e com isso ser uma fonte bacteriana, não é um risco real? O que vc, como profissional, pensa sobre isso?

    1. Obrigado pelo comentário. O ponto principal do post é a fragilidade da narrativa empregada no filme. Independente do tema, não é possível concluir que estão tratando o assunto de forma séria ou apenas sensacionalista. Na Endodontia sabemos que tudo se trata de um equilíbrio entre flora bacteriana e sistema imune; da mesma forma como funciona em todo o organismo. O corpo humano tem mais bactérias que células próprias. O que vai interferir no processo saúde-doença é quantidade de microorganismos patogênicos versus defesas do corpo. Lembrando que o filme bate na tecla dos meridianos energéticos, que seriam negativamente influenciados também por implantes metálicos. Segundo essa lógica, uma pessoa com cirurgia ortognática realizada (onde se utilizam diversos implantes metálicos em vários locais da maxila e da mandíbula), ou com reabilitações extensas na boca teria problemas em todo o organismo para sempre. Definitivamente não é o que vemos no dia-a-dia.

      1. eu tinha umas inflamções no dedo medio do meu pé direito, e sempre uma cor rocha de falta de circulação ou coisa que o valha…usei de tudo para curar e nada…um dia….. “por acaso”….peguei uma imagem que trazia as linhas de energias ou reflexologia como queira…e lendo observei que os dedos do meu pé com problema citado estava energeticamente ligado aos meus dentes…fiquei surpreso pois eu tbem estava com problemas dental sem grana para resolver então estava arrastando a solução…bem minha esposa estudando um pouco descobriu na web que o açafrão da terra era muito bom para infecções etc…ela me sugeriu usar na escovação dos dentes…bem minha surpresa foi que a inflamação dos meus dedos desapareceram….eu comigo mesmo disse isso foi uma “coincidência”….meus dentes eu não havia feito qualquer tratamento e com o uso do açafrão eu senti uma melhora monstruosa varias dores que eu tinha na dentição sumiu….bem resolvi parar propositalmente com o açafão… sim a inflamação nos meus dedos do pé voltou….bem continuo usando o açafrão não estou fazendo tratamento dentário mau halito desapareceu as dores tbém…e meus dedos do pé vão muito bem obrigado!

        1. Obrigado pelo relato, Geraldo. Não deixe de procurar um dentista, quando possível, para avaliar se o seu tratamento empírico não está apenas mascarando um problema que exige tratamento mais específico. Lembrando que mesmo pela lógica dos meridianos energéticos um tratamento caseiro tópico pode não ser a solução mais eficaz. Boa sorte!

  2. Desculpe…quando mencionei que meus pais sofreram com dentistas quis dizer aos problemas de saúde deles e não aos profissionais em si. Sim, já tive relatos de várias pessoas que tem trauma por causa do profissional mas, no meu caso, eu sempre começo dizendo o meu medo e os 2 dentistas que me cuidei na vida foram sempre muito compreensivos e nunca tive problema algum dpois.

  3. Mas sua resposta ao documentário também não foi clara. Não existe possibilidade do tratamento de canal “dar errado”? Sinto uma dor crônica no mesmo lado que tratei e retratei um canal. Já fiz de tudo e a dor persiste. Quase fiz uma cirurgia tratando como síndrome de Eagle , o que foi descartado e agora estou aqui, com dor, há anos que “acalma” com acupuntura, mas nunca mais foi embora completamente. Tenho receio de profissionais que possam cometer erros e não os assumem. Sigo com dor (inclusive nas costas).

    1. Olá. Qualquer tratamento é passível de falhas. As falhas no tratamento endodôntico, assim como no retratamento, são detectáveis por radiografias, tomografias e exame clínico. O insucesso da terapia endodôntica pode trazer problemas ao paciente. O sucesso, porém, traz benefícios.

    1. Olá! Sinto muito pelo seu conhecido. Mas seria preciso uma análise mais detalhada do que de fato houve com ele. Há varios estudos que confirmam sim que bactérias proveninentes da boca podem causar debilidades sistêmicas. No geral, porém, os tratamentos convencionais conseguem evitar que infecções orais se alastrem pelo organismo. Em uma parte do documentário um médico diz resolver temporariamente a dor de coluna de uma paciente anestesiando o dente comprometido. Mas se isso fosse realmente verdade haveriam inúmeros casos de pessoas que ao serem anestesiadas no dentista relatariam melhoras instantâneas em dores na coluna. Da forma quase milagrosa que isso acontece no documentário, certamente os pacientes odontológicos já teriam feito a relação causa-efeito em diversas ocasiões. Não é, certamente, algo que aconteça na prática odontológica.

  4. Brilhante como sempre, Dr. Anderson!

    O pretenso “documentário”, no que se refere a veracidade dos fatos, assemelha-se – e muito – aos documentários do tipo “animais monstruosos extintos ainda vivos” ou “sereias existem”, extremamente proliferados em canais como Discovery channel e afins. O que de fato ocorre é que o programa tenta se vender a todo custo, não importando o desserviço prestado. Como se já não bastasse a odontologia ainda conviver com os estigmas do passado e ser centro de achismos de toda sorte de práticos, doutores, pseudodoutores e estudiosos do Google, a mídia televisiva ainda se propõe a expor um programa – que de documentário só tem mesmo o formato – sem nenhum tipo de cuidado ou compromisso com a verdade.
    Triste mesmo é o fato de boa parte da população insistir em procurar meios alternativos de se informar acerca de sua condição de saúde ao invés de buscá-la com um profissional que estudou anos – e ainda estuda – para resolver esses e outros casos.

    Mas um dia a coisa muda. Esperamos.

    Um grande abraço!

  5. Então para quem está duvidando do benefício do tratamento endodôntico ou reabilitação com implante, extrai os dentes e coloca dentadura, fácil de resolver!

  6. Olá Vanessa, boa tarde. Eu após anos de dores crônicas, mais de 10 especialistas, 2 anos só pulando de médico em médico, inúmeros exames e pedir demissão de último emprego por não conseguir trabalhar ( tem dois anos). Já fiz tudo tudo tudo, agora comecei meu tratamento com um dentista biológico, tenho 7 canais… o tratamento será bem longo, mas foi chocante o diagnóstico x meus problemas de saúde. Eu já tinha ido em 2 dentistas, mas só o biológico achou a raiz de meu sofrimento, ainda tenho dores crônicas, mas estou em tratamento. Lia Lamim

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *